Pular para o conteúdo principal

RECORDANDO JESUS


Se te sentes aflito, não aumente tua aflição exibindo atitudes desequilibradas. Recorre ao Evangelho. Aí, encontrarás farto manancial que as palavras do Mestre te recordarão.
— "Abençoados os aflitos, porque serão consolados."
Se te encontras enraivecido, não dês guarida à mágoa, pois ela será o fermento que fará crescer a massa do rancor, adicionando novos tormentos à tua vida. Lembra–te do Mestre a dizer–nos.
— "Abençoados os brandos e pacíficos, porque possuirão a Terra e serão chamados filhos de Deus."
Se te encontras enfermo, cansado da longa jornada, não te enfermes ainda mais adotando o fel da reclamação e da queixa como remédio. Antes, recorda o Mestre a consolar–nos.
— "Eu não vim para os sãos, mas para os doentes."
Se a amargura, qual serpente insidiosa, instalou–se em teu coração, expulsa–a, para que não te envenene a vida com sua perfídia. Recorre ao bálsamo duradouro do amor, recordando o Mestre em seu diálogo com Pedro.
— "Pedro, Tu me amas?"
Pergunta a ti mesmo se também O amas.
E Esquecendo a amargura, ama verdadeiramente.
Se te sentes dividido entre o certo e o errado, entre o santo e o ímpio, lembra–te de que o cristão não deve ser motivo de escândalo e que das tuas atitudes depende a harmonia de muitos.
Se, enfim, te sentes só e abandonado, perdidas as últimas ilusões que acalentavas, recorda que ao teu lado, há sempre alguém que sofre mais do que tu. Abre–te à dor do teu próximo, tenta mitigá–la; entrega–te ao ofício do socorro e, como conseqüência, esquecerás os teus penares.
Desprende–te do egoísmo de conjugar os verbos na primeira pessoa e adota o "nós", irmanando–te à humanidade sofredora; individualiza, no irmão que chora, a tua dor e, ao enxugares as suas lágrimas, terás as tuas abrandadas pela ação do amor.
Conforta os que sofrem, esquecendo tuas próprias dores e terás os teus pedidos atendidos por acréscimo.
Prossegue semeando o bem, a caridade, o perdão, e perceberás que a estrada que antes palmilhavas e te parecia árdua, por efeito do amor que dispensaste, tornou–se abençoado vale de verdejantes campinas e doces quedas d’água, abastecendo–te a alma de inefáveis benesses do Cristo.
Amélia


Mensagem recebida em reunião mediúnica do Lar Espírita Chico Xavier, no dia 16/11/1996, pela médium Vera Cohim.
Texto revisado pelo Prof. Humberto Vasconcelos da Fraternidade Espírita Francisco Peixoto Lins (Peixotinho).
Autorizada a reprodução de toda a mensagem ou parte dela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração Do Perdão

Oração do PerdãoA partir deste momento, eu perdôo todas as pessoas que de alguma forma me ofenderam, me injuriaram, me prejudicaram ou me causaram dificuldades desnecessárias. Perdôo, sinceramente, quem me rejeitou, me odiou, me abandonou, me traiu, me ridicularizou, me humilhou, me amedrontou, me iludiu. Perdôo, especialmente, quem me provocou até que eu perdesse a paciência e reagisse violentamente, para depois me fazer sentir vergonha, remorso e culpa inadequada. Reconheço, que também fui responsável pelas agressões que recebi, pois várias vezes confiei em indivíduos negativos, permiti que me fizessem de bobo e descarregassem sobre mim seu mau caráter. Por longos anos suportei maus tratos, humilhações, perdendo tempo e energia, na tentativa inútil de conseguir um bom relacionamento com essas criaturas. Já estou livre da necessidade compulsiva de sofrer e livre da obrigação de conviver com indivíduos e ambientes tóxicos. Iniciei agora, uma nova etapa de minha vida, em companhia de gent…

Como atrair coisas boas - Abra sua mente

Clarice Lispector

Já escondi um AMOR com medo de perdê-lo, já perdi um AMOR por escondê-lo. 
Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos. 
Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso. 
Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.
Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.
Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram.
Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir.
Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi.
Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.
Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.
Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam.
Já tive crises de riso quando não podia.
Já quebrei pratos,…